1. Sustentabilidade
  2. Proteger o meio ambiente
Menu
Sustentabilidade

Proteger o meio ambiente

Proteger o meio ambiente

Enquanto consultores financeiros, é crucial para nós não só avaliar, monitorizar e gerir os efeitos das questões ambientais nas carteiras dos nossos clientes, mas também considerar o potencial impacto destes investimentos no ambiente. Ao mesmo tempo, devemos liderar pelo exemplo, gerindo o impacto ambiental das nossas operações.


Apoiar a transição para uma economia neutra em carbono

Das inundações e tempestades às secas e aos incêndios florestais, os impactos das alterações climáticas são alarmantes não só para o ambiente, mas também para a economia global, que depende de um planeta saudável e dos recursos que este proporciona. Os danos físicos à infraestrutura e aos produtos, a rutura das cadeias de valor e a volatilidade dos preços das matérias-primas representam riscos económicos significativos, juntamente com os riscos regulatórios, judiciais e de transição que a mudança para uma economia neutra em carbono gera.

Em 2020, a UBP mostrou determinação em abordar as principais questões climáticas, realizando o teste de sustentabilidade climática da Avaliação de Transição de Capital do Acordo de Paris (PACTA 2020), bem como apoiando o Grupo de Trabalho para a Divulgação de Informações sobre a Exposição Financeira às Alterações Climáticas

Investimentos descarbonizantes

A UBP tem mais de 160 mil milhões de francos suíços em ativos sob gestão e isto representa a nossa maior alavanca para enfrentar as alterações climáticas. Para reduzir as emissões de carbono associadas aos ativos detidos nas carteiras de investimento da UBP, monitorizamos atualmente a intensidade média ponderada de carbono de todos os nossos fundos de longo prazo investidos em obrigações e ações de empresas domiciliadas no Luxemburgo e em França, que representam a maioria dos nossos fundos. Esta cobertura está a ser gradualmente alargada a todas as carteiras. Uma vez concluída, o nosso objetivo é reduzir as emissões de carbono dos nossos investimentos, estabelecendo metas específicas para tais reduções.

De neutra em carbono a positiva em natureza

Com 44 biliões de dólares – ou mais de metade do PIB global – dependente da natureza ou dos serviços naturais, a perda de biodiversidade não é apenas uma crise ambiental, mas também, inegavelmente, uma crise económica. Da agricultura, da alimentação e dos produtos farmacêuticos à construção, à moda e ao turismo, as empresas dependem da extração de recursos ou do fornecimento de serviços naturais, tais como a água limpa, os solos saudáveis e a polinização. 

Mas desde a degradação dos habitats naturais à extinção das espécies vegetais e animais, a perda da biodiversidade avança a um ritmo alarmante, impulsionada pelas alterações climáticas, pela poluição, pelas mudanças no uso do solo e pela sobre-exploração dos recursos naturais. Isto cria riscos físicos diretos, tais como colheitas pouco fiáveis ou mais reduzidas, bem como riscos de reputação, judiciais e de transição. 

Tal como a crise climática criou oportunidades de crescimento para os “reparadores” do problema e riscos de transição para aqueles que não se estavam a adaptar, a proteção e a restauração da biodiversidade está a ganhar força, proporcionando assim novas oportunidades de mercado para empresas inovadoras. Com base na nossa experiência no investimento de impacto, lançámos recentemente uma estratégia de biodiversidade, oferecendo aos investidores uma oportunidade de crescimento numa fase inicial com um impacto positivo.

Para construir conhecimento e dar apoio a modelos de negócio positivos para a natureza, estamos a colaborar com outras partes interessadas em várias iniciativas, incluindo o Business for Nature's Call to Action, o FAIRR, o Grupo de Líderes no Investimento do Instituto de Cambridge para a Liderança na Sustentabilidade (CISL), o UNPRI Investor Working Group on Sustainable Palm Oil [Grupo de Trabalho de Investidores em Óleo de Palma Sustentável – PRI da ONU] e o Grupo de Trabalho para a Divulgação de Informações sobre a Exposição Financeira às Alterações Climáticas (TNFD)

Reduzir a pegada ecológica da UBP

Apesar de a pegada de carbono operacional da UBP ser pequena em comparação com a resultante dos nossos investimentos, queremos demonstrar liderança ao gerir as nossas operações de forma sustentável, reduzindo as viagens, bem como o consumo de eletricidade, papel, água e plástico, aumentando também a reciclagem, em todas as nossas instalações. Estamos empenhados em reduzir a nossa pegada de carbono em um quarto até 2025, em comparação com os níveis de 2019, visando as emissões de Âmbito 1, 2 e 3: 

  • Âmbito 1: emissões diretas das instalações e dos veículos da empresa. 
  • Âmbito 2: emissões indiretas de energia comprada (por exemplo, eletricidade e aquecimento). 
  • Âmbito 3: emissões indiretas de outras atividades, tais como os bens e serviços adquiridos, as viagens de negócios, as deslocações dos funcionários e os resíduos gerados pelas nossas operações.

“Enquanto empresa responsável e ciente do impacto que as nossas atividades podem ter no ambiente, prestamos muita atenção à gestão do nosso impacto ambiental.”

 

Stephan Zilker, Diretor de Operações de Zurique e Diretor dos Serviços Gerais & Presidente da Comissão de RSE

No âmbito deste esforço, embarcámos num ambicioso programa de renovação dos nossos edifícios em Genebra, com a duração de 10 anos, para melhorar a eficiência energética das nossas instalações. Estamos também a expandir a utilização de energias renováveis nos nossos escritórios. A UBP Zurique depende cada vez mais do biogás, enquanto nove locais em Genebra e um no Luxemburgo produzem eletricidade 100 % renovável. Adquirimos ainda Certificados de Energias Renováveis para o nosso espaço em Singapura.

A fim de lidar com as próprias emissões de Âmbito 3, a UBP reviu recentemente a política de viagens, limitando as viagens – especialmente as viagens aéreas – e dando preferência a hotéis com rótulo ecológico, quando o alojamento é necessário. Estamos também a aumentar a digitalização de várias operações administrativas, financeiras e de aquisições para diminuir o consumo de papel.

Para alcançar a neutralidade de carbono, celebrámos uma parceria com a myclimate para compensar todas as emissões restantes, a partir das geradas em 2020.

Mais sobre a biodiversidade

Conhecimento especializado

Investir na biodiversidade – porquê e como

De que forma se traduz a perda e a recuperação da biodiversidade em investimentos?

O relatório do PIAC – «alerta vermelho» para a humanidade

O mais recente relatório do PIAC deverá alertar o mundo para a ação climática – e para os investidores, tal significa dar prioridade ao impacto positivo, escreve Rupert Welchman.

A evolução do investimento de impacto em mercados cotados – o que se segue?

Muito mudou nos últimos anos. O investimento de impacto em ações cotadas é relativamente novo, e, nos últimos anos, o debate sobre se o impacto pode mesmo ser alcançado nos mercados secundários tem sido muito intenso.

Descubra a UBP

Prémios

Desde há vários anos, o Banco, bem como os gestores e os fundos, recebem regularmente prémios de institutos de investigação independentes.

Descubra a UBP

Publicações

Apresentamos as hiperligações para todas as publicações' do Grupo

Sala de redação

Últimas notícias do Banco

Não perca nenhuma das últimas notícias do Grupo

Contacto

Entre em contacto connosco

Teremos todo o prazer em oferecer-lhe assistência sobre quaisquer questões ou perguntas que possa ter.