1. Glossário > Classe de ativos
  2. Fundos de cobertura
Menu
Glossário > Classe de ativos

Fundos de cobertura

Fundos de cobertura

No mundo financeiro, o termo «cobertura» significa «neutralização de riscos» ou «proteção». Isto significa que um fundo de cobertura é uma forma de proporcionar proteção contra perdas financeiras. Por conseguinte, o termo «fundo de cobertura» é por vezes utilizado como um termo que abrange todos os fundos alternativos, ou seja, um fundo que não se dedica a investir em ações ou obrigações cotadas, nem é um fundo aberto ao público. Os fundos de cobertura são concebidos para investidores qualificados, tais como investidores institucionais ou pessoas singulares com ativos significativos, e são regulamentados de forma mais flexível do que os fundos de investimento clássicos. Note-se que a regulamentação dos fundos de cobertura tem crescido e tornou-se significativamente mais rigorosa nos últimos anos, tanto nos Estados Unidos, com a aprovação da Lei «Dodd-Frank» em 2010, quanto na Europa, com a adoção da diretiva GFIA em 2011.

O modelo operacional dos fundos de cobertura distingue-se do dos fundos tradicionais por fazer uso de estratégias de investimento relativamente flexíveis, com ênfase na gestão do risco e no desempenho absoluto, ou seja, a descorrelação com os movimentos das principais classes de ativos. Para alcançar esta descorrelação, os fundos de cobertura utilizam uma grande variedade de estratégias. As mais conhecidas são o «stock picking» (seleção individual de ações), as «posições longas / curtas» (compra e venda), as «baseadas em eventos» (situações especiais), incluindo «arbitragem de fusão» (arbitragem de fusões e aquisições), «arbitragem de rendimento fixo» (arbitragem de produtos de rendimento fixo ou obrigações convertíveis), «macro global» (previsão das principais tendências macroeconómicas), e as «estratégias CTA» (sigla inglesa para commodity trading advisor, ou seja «aconselhamento de negociação de matérias-primas», o que implica seguir as tendências do mercado acionista, incluindo os preços das matérias-primas). Estas estratégias distintas podem ser combinadas em fundos de fundos de cobertura ou em fundos multiestratégia, que visam aumentar a diversificação.

Os fundos de cobertura utilizam uma vasta gama de técnicas financeiras para alcançar a descorrelação e para gerir o risco. As principais técnicas são a «venda a descoberto», que consiste na venda à vista de valores mobiliários não detidos na esperança de os recomprar por um valor inferior numa data posterior; a utilização de derivados, tais como opções, futuros ou contratos a prazo; e a alavancagem, que significa a contração de empréstimos para aumentar a dimensão efetiva da carteira.

O primeiro fundo de cobertura foi criado nos anos 50 por Alfred Winslow Jones, jornalista da revista norte-americana Fortune. Os princípios gerais que Jones definiu na época continuam em vigor na atualidade: uma estrutura jurídica de uma sociedade limitada; taxas de gestão proporcionais ao total dos ativos sob gestão e desempenho; e seleção de ações aquando da compra e venda, com vista a neutralizar o efeito dos movimentos do mercado. A gestão alternativa de ativos aprofundou-se nos anos 70 com o surgimento de figuras inspiradoras, como George Soros.

Investimentos alternativos da UBP
As nossas áreas de especialização

Conhecimentos especializados em investimento

Descubra todas as nossas áreas de especialização em serviços de investimento.

Conhecimento especializado

Investimento de impacto – a criar o futuro agora

O papel do investimento de impacto é lutar pela resolução dos problemas mais prementes do mundo, identificando investimentos apelativos de longo prazo.
Conhecimento especializado

Investimento de impacto – a moldar o amanhã

O investimento de impacto pode ajudar a construir um futuro mais saudável e luminoso.